quinta-feira, 13 de outubro de 2011

DIVERSAS

Homenagem ao Preto Velho Pai João

Preto Velho na Umbanda é anjo na terra
Que calor cobria suas vestes, mas forte era sua reza

Com um terço na mão debruçava na cocheira
Joelhos no chão saúdam Oxum na cachoeira

Ventou forte crianças correram na direção da mata
Alimentou-se da comida que sobrada da mesa farta

Mas ainda não escureceu, dia claro e noite de breu
Cobertor rasgado e cama de palha do milho que o gado comeu

Corpo forte e marrom como a lama, olhos brancos e boca vermelha
Roupa branca, cachimbo na mão e alimento da ordenha

Café amargo, palha para o fumo, e conga para oração
Seu canto é sua casa, e seu crucifixo feito do galho de açafrão

Dentes brancos, e pés rachados, cabelos brancos reluz ao sol do verão
Bonito negro de dia e a noite reluz a luz do lampião,

Bom na lida, mas cauteloso com a ferramenta, corta a cana pela raiz
Bom dia meu sinhô,
Bom dia querido Pai João.



Que a Divina Luz esteja entre nós
Emidio de Ogum
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

UMBANDA PRIMITIVA


Houve um tempo em que a Umbanda não tinha líderes, faculdades, conselhos e apenas duas ou três federações que tentavam dar o mínimo de organização e consultoria jurídica aos terreiros filiados, mesmo porque houve, como se sabe, grande perseguição e repressão Estatal aos seus adeptos, assim como os do Candomblé.
Entre as décadas de 1950 – 1970, houve o que chamo, no que pese a perseguição policial, de “Época de Ouro” da Umbanda, onde a religião tinha milhares de adeptos, suas músicas eram ouvidas nas rádios e não raramente podiamos assistir nomes como W.W. da Matta e Silva, Tancredo da Silva Pnto, dentre outros, expondo suas opiniões e pontos de vista em colunas diárias (ou semanais) em jornais e revistas de grande circulação.
A extinta TV TUPI, muitas vezes apontou suas câmeras para as personalidade citadas, assim como sempre abria espaço em sua programação para Chico Xavier e outros baluarte espíritas, sendo que sempre tais programas eram acompanhados de grande audiência.
Na música, tivemos vários artistas, dos quais destaco Ronnie Von e Clara Nunes, que gravaram músicas inspiradas em canções de Terreiro, quando não eram os próprio pontos de Raiz que ganhavam novos arranjos.
No que pese algumas históricas contendas doutrinárias, em especial envolvendo Matta e Silva e Tancredo da Silva Pinto, que trocavam algumas “farpas” não somente através de seus artigos em jornais e revistas, mas também em seus livros, havia uma relativa paz entre os praticantes e ninguém se preocupava por demais com os ritos e doutrinas praticados neste ou naquele Terreiro.
Em geral não haviam grande Terreiro, com centenas de médiuns, sendo uma exceção à esta regra a Tenda do Caboclo Mirim na cidade do Rio de Janeiro.
Normalmente, as Casas de Culto eram familiares, contando com um pequeno espaço nos fundos da residência do responsável pelo local, com poucos médiuns, onde a caridade era feita de forma simples e desinteressada.
Era muito comum presenciarmos grupos inteiros de umbandistas levando à cabo seus preceitos nas cachoeiras, matas e encruzilhadas, sem temer nenhum tipo de repressão (isto após o Estado Novo e uma certa abertura do Regime Militar) ou discriminação por conta a da sua fé e de seus rituais.
Hoje, infelizmente, tudo mudou.
Se não precisamos mais nos preocupar com a repressão policial, mas com o avanço das igrejas neo-pentecostais que pregam a violência e o desrespeito à fé alheia, temos notícias de tempos em tempos, de Casas de Culto, assim como de Centros Espíritas, sendo invadidos e depredados por aqueles que se auto-intitulam “povo de Deus”.
Não há mais segurança para fazermos nossos rituais nos sítios sagrados, visto que corremos o risco de sermos atacados por estes verdadeiros BANDIDOS travestidos de religiosos, que não respeitam o direito das pessoas a pensarem e crerem de forma diferente da deles.
Em termos administrativos, existem centenas de federações, associações, conselhos e toda a sorte de ESPERTALHÕES que decidiram ganhar uns trocados criando tais organizações que, no frigir dos ovos, não fazem absolutamente nada, salvo honrosas e raras exceções, pela religião.
Do outro lado, temos conselhos que não cobram nada de seus associados, mas são usados como meio de propaganda por seus idealizadores, afim de criar uma ponte não somente para disseminação e imposição das idéias dos mesmos mas, principalmente, para alimentar o verdadeiro culto à personalidade do tal “babá”.
Hoje em dia, a Umbanda, apesar do discurso hipócrita que vemos por ai, de união, convergência, respeito à diversidade, está dividida em facções. Uns se bandearam para o lado do “Pai X”, incluso antigos desafetos e adeptos de cultos outrora identificados por ele como “coisa de kiumba”, enquanto outros cerraram fileira com o “Pai Y”, que defende com unhas e dentes seu mercado de livros, apostilas e cursos de final-de-semana.
Apesar do discurso defendendo a Umbanda e suas Tradições, de unificação das várias correntes doutrinárias, o que estes dois querem, na verdade, é ganharem uma grana, assim como poder político, nas costas da comunidade umbandista. Para estes dois não existe meio termo: ou se está com eles ou contra. Não é possível ficar neutro.
Se a Umbanda de hoje não mais precisa se preocupar com a perseguição do Estado, está sob o julgo de verdadeiros ABUTRES que querem, de toda feita, dominarem a religião e, com isto, locupletarem-se de todas as maneiras possíveis.
Nenhum grupo ou núcleo familiar umbandista está à salvo desta gente.
Apesar da liberdade que dizem pregar, usam de manipulação psicológica pesada, em especial ADJETIVAR as pessoas de sectárias e etnocentricas, assim como IMPOR sua visão, para impelir aos incautos e/ou de personalidade fraca a cerrar fileira com eles e ser um novo “arauto” de suas idéias e do culto à personalidade do megalômano “babá”.
Venho dizendo neste espaço que a Umbanda, se as coisas continuarem assim e não houver uma reação contudente daqueles que chamo de Não Alinhados, não durará mais uma centena de anos. As contaminações inseridas, a mistura de várias correntes em uma só, incluso as que são antagônicas, estão fazendo com que nasça uma outra religião e sepultando a Sagrada Umbanda.
A questão a ser pensada por todos nós é: o quanto nossas atitudes (ou a falta delas) tem colaborado para este quadro e para a derrocada de nossa Religião e nossas Tradições?
Medite, seriamente, sobre isto.

Ouvindo Vozes de Aruanda
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

HISTÓRIA DE MARIA PADILHA DOS 7 CABARÉS .

Maria Padilha conta...
Foi criada no vilarejo de Portugal junto com seu pai e mãe e não teve irmãos, seu pai era muito humilde tendo como posse apenas seu teto que lhe amparava , sua mãe era muito procurada por ser considerada uma feiticeira muito poderosa e dona de incríveis magias (popular Bruxa )onde cobrava por cada feitiço feito concluído, o casamento de seus pais não foi construído pelo amor e por esse motivo as brigas eram constantes pelo casal , e isso a perturbava muito ,pois , sempre foi vaidosa e muito alegre e sonhava em ter muitas posses e grandes aventuras .

O tempo foi passando e sua mãe em uma das brigas jurou seu pai de morte e assim fez, lançou sobre ele um feitiço e ele adoeceu e faleceu, e isso Maria não agüentou, pois seu pai era o único que lhe dava carinho e amor, pois tinha um ódio profundo por sua mãe.
Quando completou seus 13 anos decidiu ir embora e ganhar a vida longe de sua mãe e seus feitiços, e novamente sua mãe lhe rogou “vá! mas um dia voltara a me procurar e pedira ajuda com os meus feitiços que sempre reprovou”, sendo assim Padilha começou sua jornada em seu 1º cabaré e foi conhecida em todo vilarejo como “a Virgem “ e cobiçada por vários senhores de posses e riquezas , naquela época ele já tinha completado seus 15 anos e os rumores de uma prostituta Virgem chegou aos ouvidos do rei de Portugal, o rei então decidiu comprar sua virgindade por um valor considerável absurdo na época .

O rei nunca teria tido prazer maior, alegria maior e beleza maior, então decidiu torná-la sua amante mesmo sabendo que correria riscos políticos e familiares, logo após observou que tinha talento e era apenas dele, mas tinha um poder incrível de liderança então lhe presenteou com seu 1º cabaré onde comandaria, mas não se prostituiria , sendo também uma faixada para manter seus encontros amorosos.

Os anos foram se passando e Padilha se considerava rainha, mas nunca foi à mulher do rei e também não o amava mais o seduzia e ele fazia todos os seus caprichos, pois um cabaré apenas não bastava ele queria 7 , onde teria o poder de ser conhecida em todo reino e vilarejo..

Uma linda noite apareceu um médico no cabaré muito conhecido na cidade, pois realizava qualquer tipo de trabalho não muito honesto na medicina, era ele que fazia abortos das concubinas, era muito rico por usar a medicina de uma forma onde o dinheiro valia mais que a vida (salvava vidas, mais também as tirava )jovial e muito inteligente , sábio e de uma luxuria incrível quando cruzou seus olhos aos da concubina do rei despertou um amor enlouquecedor , Padilha também se interessou por ele , ela diz que a presença dele lhe fazia bem e que se sentia segura ao seu lado mais não sabe se lhe amou .

Manterão um romance, pois o rei viajava muito e ela não podia ariscar , mas mesmo assim conseguiu manter um romance ardente com seu médico no período que o rei estava longe.

Em uma noite de muito movimento de um dos cabarés que comandava , subiu ao seu quarto para descansar ,quando se assustou com a entrada do rei e seus guardas e o médico que tanto lhe fazia bem , então o rei lhe perguntou : é este o homem que lhe visita todas as noites que não estou presente?

Ela então respondeu que não estava se sentindo bem e ele fazia consultas e passava medicações para suas dores de cabeças insuportáveis,.
O rei não acreditou e falou que existiu algo diferente no olhar dela, que ela nunca o olhou assim parecia ter sentimento .

Enfurecido o rei falou ,vamos ver se o ama?

Então o esfaqueou até a morte na sua frente, e Maria Padilha não podia fazer nada muito menos derramar uma lagrima ou sequer uma palavra de pena ou defesa por aquele homem que tinha um sentimento profundo, ela agüentou tudo calada e seu coração despertou um ódio e uma fúria incontrolável pelo rei, mas não podia demonstrar naquele momento.

Mas uma coisa ela estava certa ela iria se vingar.

Padilha explica que por o seu médico como assim o chamava a amava muito e lhe deu muito carinho e amor, e com o passar do tempo por ele a amar tanto não como uma prostituta, mas como uma mulher, ela começou a despertar um sentimento por ele que nem ela saberia explicar.
O rei satisfeito que não teria mais a sombra do médico sobre Padilha comemorou bebeu e a possuiu e ela teve que suportar tudo aquilo com um lindo sorriso no rosto para que ele não desconfiasse dela e não a executasse também, ganhando tempo assim para tramar a sua vingança sobre o rei .

No dia seguinte pensou que a única forma de eliminar o rei sem suspeitas era com feitiço e só havia uma pessoa que conhecia que poderia ajudá-la, como sua mãe havia rogado ela foi lhe procurar, chegando lá sua mãe já a esperava, falou que já sabia de tudo que aconteceu e que ajudaria a acabar com o rei , Padilha apressada perguntou seu preço ela respondeu que já havia sido paga e que ela seria rainha mas não mulher de rei na vida e na morte e seria conhecida em todo o inferno e teria muito poder , Padilha agitada perguntou se iria ajudar ou não .

O feitiço foi concluído, pois Padilha havia colocado todo sua energia em sua vingança mesmo sabendo que pagaria um preço alto.

Alguns dias se passaram e o rei adoeceu, pois era um homem que gozada de plena saúde e nenhum médico descobriu ,cada noticia de piora do rei que vinha a Padilha ela não conseguia conter as gargalhadas, pois estava obcecada por sua morte lenta e dolorosa.
A notícia se espalhou por todo o reino, que o rei havia falecido de uma forma estranha e rápida.

Como todos sabiam que ela era amante do rei e sua mãe era bruxa , e sua fortuna tinha sido conquistada por as luxurias que o rei lhe oferecia , desconfiaram e começou as conseqüências e a perseguição.

Em uma tarde de sol anunciaram que queimariam uma bruxa, e a única bruxa que havia na cidade era sua mãe, não acreditando e vendo o cerco se fechar correu para o local do sacrifício e todos a olhavam com desconfiança, mas a temiam, pois também tinha poder na época que o rei havia concedido.

Enquanto sua mãe queimava suas lagrimas sem querer desciam pelo seu rosto, pois independente de ter uma diferença ela era única pessoa que ainda lhe restava no mundo, e sua mãe mesmo queimando ainda tinha força de lhe chamar de rainha. Não esperou o espetáculo de horrores acabar correu até a casa de sua falecida mãe e se trancou lá, dormia e acordava em cima do seu livro de magias e disse que não sairia de lá enquanto não aprendesse todos os feitiços de sua falecida mãe. Assim fez.

Quando retornou ao seu cabaré suas meninas estavam assustadas por que corriam boatos que a rainha de Portugal fecharia todos os cabarés da cidade.

Assim aconteceu, não apenas fechou, mas queria cortar o mal pela raiz muitas fugiram outras não tiveram muita sorte. O ultimo cabaré foi de Padilha ela reuniu suas meninas e decidiu morrer sim, mas lutando. Foi uma longa batalha mataram muitos guardas e muitas das suas meninas morrerão, pois eram muitos homens contra poucas mulheres , e Padilha morreu lutando e feliz pois cumpriu sua vingança mesmo sabendo das conseqüências e foi conhecida como uma das rainhas do inferno e dos sete cabarés .
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sou médium de Umbanda e acredito.

Algumas pessoas podem não concordar comigo ou mesmo não acreditar em minhas palavras, porém somos aquilo que acreditamos e assim decidimos o nosso caminho.
Eu acredito em Deus, eu acredito em Jesus Cristo, eu acredito nos Orixás da Umbanda, eu acredito no Mentor Espiritual que me guia e nos Guias Espirituais de Umbanda que utilizam minha mediunidade, eu acredito na Umbanda, por isto as decisões que tomo em minha vida são baseadas no meu entendimento que sem Eles participando constantemente no meu caminhar e que sem um ajuste diário em minhas atitudes, pensamentos e sentimentos, conforme a mensagem de Jesus, além de estudar continuamente buscando a Verdade que Ele trouxe, esta minha vida seria como um navio perdido, sem bússola em um oceano desconhecido.
Eu acredito que minha mediunidade não é missão, mas sim parte da depuração de meu espírito que escolheu este caminho para que eu como encarnado, pudesse amenizar o meu carma e também através da caridade que recebo do Alto Astral, crescer moralmente e espiritualmente. Este foi o caminho que meu espírito escolheu para poder passar por esta encarnação apoiado pelos Bondosos Espíritos que tanto me amam e oram para que eu supere as tentações da carne e aprenda que tudo passa.
Pois realmente tudo passa, alegrias, tristezas, dificuldades, doenças, entre tantas outras experiências, pois a encarnação é muito pequena perto da vida eterna do espírito e a busca por viver eternamente em comunhão com o Amor do Pai, que é o que Ele deseja para mim e para todos os seus filhos. Portanto só posso acreditar que a educação espiritual, a reforma moral constante, a vigília, oração e o Evangelho de Jesus são os únicos meios para que eu possa caminhar seguro nesta direção.
Muitos irão dizer que é uma vida de sacrifícios e renúncias, mas o que para uns é sacrifício para mim é aprendizado, o que para uns é renúncia para mim é conquista. Pois é no aprendizado que me faz crescer e na conquista de minha paz interior que posso dizer a mediunidade, para mim, não é um fardo, pois sei que sempre terei todos os Bons Espíritos e Jesus Cristo a me amparar e nisto acredito e tenho fé, sendo minha confiança total que, assim, posso ser uma pessoa melhor, me amar e poder amar aos meus irmãos encarnados ou desencarnados, amando acima de tudo o Pai que me criou e que também me ama.
Acredito que se estar encarnado é estar na escola do espírito, então terei que passar por provas que mostrem que meu aprendizado permite que eu passe para novos estágios evolutivos, por isto acredito que a Umbanda com Jesus Cristo, a Umbanda que o Caboclo das 7 Encruzilhadas nos trouxe, a Umbanda que o Caboclo Ventania e meu Pai Rompe Mato seguem, é a escola que me permitirá ter bons professores e conhecimento para alcançar a evolução moral e cristã que meu espírito se propôs, ao vir para esta encarnação.
Por isto acredito que ser médium na Umbanda é libertar o espírito das amarras do desconhecimento, das crendices e superstições que paralisam a evolução e que a caridade efetuada pelos Bons Espíritos através de minha mediunidade é luz para o meu caminho e o caminho de muitos que buscam também o Amor grandioso do Pai e somente com disciplina para buscar meu crescimento espiritual e moral, com estudo para buscar o conhecimento e a Verdade que liberta e muito trabalho que fortifica meu espírito, é que poderei ser um médium com Jesus e sempre ser feliz.
Sou médium de Umbanda e acredito.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

CABOCLO COBRA CORAL


Caboclo Cobra Coral foi um índio de origem asteca. Ele é o guia chefe do Terreiro. Na Umbanda ele trabalha na vibração de Xangô, que está presente no cume das pedreiras, nas cachoeiras e nas matas. No dia destinado ao atendimento de consulentes, o Caboclo Cobra Coral, atende 50 consulentes por ordem de chegada na Ordem.
O Guia Caboclo Cobra Coral, atende quarta-feira (de acordo com calendário), a partir das 10 horas, através de senhas. As senhas são distribuídas, conforme a ordem de chegada dos consulentes agendados. 
          A agenda de atendimento das Entidades para os consulentes é determinada pelo Chefe do Terreiro, Babalorixá Célio Silva,  após a primeira consulta do consulente, nos dias da Vidência (segundas e quartas-feiras). O Babalorixá indicará ao consulente qual a entidade o atenderá. Ao sair da Vidência, o consulente agendará a consulta, na administração da Ordem.
          Nas outras vezes, o próprio consulente ao sair do atendimento mediúnico, se dirigirá a administração da Ordem para agendar a próxima consulta, conforme a sua necessidade. 
Obs. Esses procedimentos são aplicados  somente para as entidades do Chefe do Terreiro.

     Quando falamos do Caboclo Cobra Coral, falamos também da supremacia da Umbanda, que é  uma religião, formada dentro da cultura religiosa brasileira incluindo vários elementos, inclusive de outras religiões. Foi no Brasil que os espíritos indígenas de diferentes posições geográficas encontraram dentro de uma Espiritualidade a verdadeira oportunidade de evolução. A criação do primeiro Centro Espírita no Brasil, foi na Cidade de Salvador em 1865, construído por um grupo denominado “Família do Espiritismo”, A base deste Centro Espírita, era sedimentada na doutrina de Allan Kardec. Nas sessões realizadas neste Centro Espírita, havia a incorporação, de  espíritos de origem indígenas, que eram os caboclos e caboclas em evolução.  Naquela época o espiritismo era praticado com muita restrição. 
          Na língua portuguesa, o significado de caboclo é o mestiço de branco com o indígena. A história oficializou o início da Umbanda no Brasil  em 1908, com a incorporação do Caboclo Sete Encruzilhadas, porém  foram encontradas publicações de que em  1890, o Caboclo Cobra Coral era incorporado por um jovem de 16 anos e que praticava a caridade conforme os fundamentos da Umbanda. O Caboclo Cobra Coral, como todo caboclo, conserva a vibração primária de Oxossi, porém com grande atuação na vibração original da linha de Xangô, que no sincretismo religioso corresponde ao São Jerônimo, representante da Justiça divina, da lei Karmica, é o dirigente das almas, o senhor da balança universal que fortalece o nosso estado espiritual. 
           O astro que rege esta linha é Júpiter e tem como guardião o anjo Miguel. Cobra Coral é um índio tranqüilo e sábio, profundo conhecedor das magias e das curas. Conhece os segredos dos animais peçonhentos, sua imagem é de um cacique alto, traz um tacape na mão esquerda e uma cobra coral na mão direita e outra na cintura. Ele não é apenas famoso no mundo físico, também no plano espiritual se conhece bem a sua fama. Muito temido pelos espíritos de ordem inferior, sendo conhecido no submundo astral como “O Grande Cobra Coral”. No submundo astral muito espíritos inferiores e chefes de agrupamentos têm verdadeiro pavor em encontrá-lo. No mundo dos grandes mágicos e magos, ele é conhecido como “O mago do Cajado da Cobra”. 
          Cobra Coral chefe da falange de origem asteca, foi a encarnação do físico e astrônomo Italiano Galileu Galilei no século XVII, considerado o pai da matemática e do ex-presidente norte americano Abraão Lincoln. A sua última encanação foi no norte do Brasil, na cidade de Cercania fronteira do Pará. O Caboclo Cobra Coral, é o emblema da pureza e da magia. Jamais acenda vela para ele que não seja BRANCA. A fé que habita em cada um de nós é particular.  Ela cresce se solidifica, e os anos mudam o nosso caráter e cria comportamentos que irão nos diferencias por toda a nossa vida.

_+_+_+_+_+
Tem caçador na beira do caminho
Mas não me mate esse coral na estrada
Se ela abandonou sua choupana caçador
No romper da 
madrugada.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pedimos a coisa certa nas sessões mediúnicas?




Descera a noite totalmente, quando penetramos estreita sala, em que um círculo de pessoas se mantinha em oração.
Várias entidades se imiscuíam ali, em meio dos companheiros encarnados, mas em lamentáveis condições, de vez que pareciam inferiores aos homens e mulheres que se faziam componentes da reunião.
Apenas o irmão Cássio, um guardião simpático e amigo, de quem o Assistente nos aproximou, demonstrava superioridade moral.
Notava-se-lhe, de imediato, a solidão espiritual, porquanto desencarnados e encarnados da assembléia não lhe percebiam a presença e, decerto, não lhe acolhiam os pensamentos.
Ante as interpelações do nosso orientador, informou, algo desencantado:
- Por enquanto, nenhum progresso, não obstante os reiterados apelos à renovação. Temos sitiado o nosso Quintino com os melhores recursos ao nosso alcance, mobilizando livros, impressos e conversações de procedência respeitável, no entanto, tudo em vão...O teimoso amigo ainda não se precatou quanto às duras responsabilidades que assume, sustentando um agrupamento desta natureza...
Àulus buscou reconfortá-lo com um gesto silencioso de compreensão e convidou-nos a observar.
Revestia-se o recinto de fluidos desagradáveis e densos.
Dois médiuns davam passividade a companheiros do nosso plano, os quais, segundo minhas primeiras impressões, jaziam convertidos em criados autênticos do grupo, assalariados talvez para serviços menos edificantes. Entidades diversas, nas mesmas condições, enxameavam em torno deles, subservientes ou metediças.
O fenômenos da psicofonia era ali geral.
Os sensitivos desdobrados se mantinham no ambiente, alimentando-se das emanações que lhes eram peculiares.
Raimundo, um dos comunicantes, sob as vistas complacentes do diretor da casa, conversa com uma senhora, cuja palavra leviana inspirava piedade.
- Raimundo – dizia - ; tenho necessidade do dinheiro que há meses vem sendo acumulado no Instituto, do qual sou credora prejudicada. Que me diz você de semelhante demora?
- Espere, minha irmã – recomendava a entidade - , trabalharemos em seu benefício.
E a palestra continuava.
- A solução é urgente. Você deve ajudar-me com ação mais expedita. Tente uma volta pelo gabinete do diretor ranzinza e desencrave o processo... Você quer o endereço das pessoas que precisamos influenciar?
- Não, não. Conheço-as e sei onde moram...
- Vejo, Raimundo, que você anda distraído. Não se interessou por meu caso, com a presteza justa.
- Não é bem assim...Tenho feito o que posso.
E enquanto a matrona baixava o tom de voz, cochichando, um cavalheiro maduro dirigia-se a Teotônio, o outro comunicante da noite, clamando, indiscreto:
- Teotônio, até quando me cabe aguardar?
A entidade, que parecia embatucar-se com a pergunta, silenciou, humilde, mas o interlocutor alongou-se, exigente:
- Vai para quatro meses que espero pela decisão favorável referente ao emprego que me foi prometido. Entretanto, até hoje!...Você não conseguiria liquidar o problema?
- Que deseja que eu faça?
- Sei que o gerente da firma é do contra. Ajude-me, inclinando-o a simpatizar-se pela boa solução de meu caso.
Nisso, outra senhora ocupou a atenção de Raimundo, solicitando:
- Meu amigo, conto com o seu valioso concurso. Sou mãe. Não me conformo em ver minha filha aceitar a proposta de um homem desbriado, para casar-se. Nossa posição em casa é das mais alarmantes. Meu marido não suporta o homem que nos persegue, e a menina revoltada tem sido para nós um tormento. Você não poderá afastar esse abutre?
Raimundo respondeu, subserviente, enquanto Quintino tomava a palavra, logo em seguida, pedindo uma prece, em conjunto, a fim de que os desencarnados se fortalecessem para corresponder à confiança do grupo, prestando-lhe os serviços solicitados.
Entendimentos e conversas continuaram entre comunicantes e clientes da casa, todavia, não mais lhes dei atenção, considerando-lhes o obscuro aspecto.
Em aflitivas circunstâncias, vira obsidiados e entidades endurecidas no mal, através de tremendos conflitos; contudo, em nenhum lugar sentia tanta compaixão como ali, vendo pessoas sadias e lúcidas a interpretarem o intercâmbio com o mundo espiritual como um sistema de criminosa exploração, com alicerces no menor esforço.
Aqueles homens e mulheres que se congregavam no recinto, com intenções tão estranhas, teriam coragem de pedir a companheiros os serviços que reclamavam dos Espíritos? Não estariam ultrajando a oração e a mediunidade para fugir aos problemas que lhes diziam respeito? Não dispunham, acaso, de veneráveis conhecimentos para mobilizar o cérebro, a língua os olhos, os ouvidos, as mãos e os pés, no aprendizado enobrecedor? Que faziam da fé? Seria justo que um trabalhador relegasse a outros a enxada que lhe cabia suportar e mover na gleba do mundo?
Áulus registrou-me as reflexões amargas, porque, generoso, deu-se pressa em reconfortar-me:
- Um estudo atual de mediunidade, mesmo rápido quanto o nosso, não seria completo se não perquiríssemos a região do psiquismo transviado, onde Espíritos preguiçosos, encarnados e desencarnados, respiram em regime de vampirização recíproca. Aliás, constituem produto natural da ignorância viciosa em todos os templos da Humanidade. Abusam da oração tanto quanto menoscabam as possibilidades e oportunidades de trabalho digno, porquanto espreitam facilidades e vantagens efêmeras para se acomodarem com a indolência, em que se lhes cristalizam os caprichos infantis.
- Mas, prosseguirão assim, indefinidamente? – perguntei.
- André, sua dúvida está fora de propósito. Você possui bastante experiência para saber que a dor é o grande ministro da Justiça Divina. Vivemos a nossa grande batalha de evolução. Quem foge ao trabalho sacrificial da frente, encontra a dor pela retaguarda. O Espírito pode confiar-se à inação, mobilizando delituosamente a vontade, contudo, lá vem um dia a tormenta, compelindo-o a agitar-se e a mover-se para entender os impositivos do progresso com mais segurança. Não adianta fugir da eternidade, porque o tempo, benfeitor do trabalho, é também o verdugo da inércia.
Hilário, que refletia, silencioso, junto de nós, inquiriu preocupado:
- Por que se entregam nossos irmãos encarnados a semelhantes práticas de menor esforço? Há tantas lições de aprimoramento espiritual, há tantos apelos à dignificação da mediunidade, nas linhas doutrinárias do Espiritismo!...Por que o desequilíbrio?
Áulus pensou alguns instantes e redargüiu:
- Hilário, é imprescindível recordar que não nos achamos diante da Doutrina do Espiritismo. Presenciamos fenômenos mediúnicos, manobrados por mentes ociosas, afeiçoadas à exploração inferior por onde passam, dignas, por isso mesmo, de nossa piedade. E não ignoramos que fenômenos mediúnicos são peculiares a todos os santuários e a todas as criaturas. Quanto à preferência de nossos amigos pela convivência com os desencarnados ainda imensamente presos ao campo sensorial da vida física, incapazes ainda de mais ampla visão das realidades do Espírito, isso é compreensível na Terra. É sempre mais fácil ao homem comum trabalhar com subalternos ou iguais, porque, servir ao lado de superiores exige boa-vontade, disciplina, correção de proceder e firme desejo de melhorar-se. Sabemos que a morte não é milagre. Cada qual desperta, depois do túmulo, na posição espiritual que procurou para si...Ora, o homem vulgar sente-se mais à solta junto das entidades que lhe lisonjeiam as paixões, estimulando-lhe os apetites, de vez que todos somos constrangidos a educar-nos, na vizinhança de companheiros evolutivos, que já aprenderam a sublimar os próprios impulsos, consagrando-se à lavoura incessante do bem.
- Mas não será isso um abuso do homem encarnado? Não será crime parasitar os desencarnados de condição inferior? – indagou Hilário.
- Isso não padece dúvida – confirmou o instrutor.
- E esse delito ficará impune?
Áulus fixou leve expressão de bom humor e respondeu:
- Não se preocupem demasiado. Quando o erro procede da ignorância bem-intencionada, a Lei prevê recursos indispensáveis ao esclarecimento justo no espaço e no tempo, porquanto a genuína caridade, sob qualquer título, é sempre venerável. Entretanto, se o abuso é deliberado, não faltará corrigenda.
Vagueou o olhar sobre o diretor da assembléia e sobre os medianeiros que incorporavam os comunicantes e acrescentou:
- Teotônio e Raimundo, tanto quanto alguns outros desencarnados da posição deles, e que aqui se aglomeram, realmente são mais vampirizados que vampirizadores. Fascinados pelas requisições de Quintino e dos médiuns que lhe prestigiam a obra infeliz, seguem-lhes os passos, como aprendizes no encalço dos mentores aos quais se devotam. Na hipótese de não se reajustarem no bem, tão logo se desencarnem o dirigente deste grupo e os instrumentos medianímicos que lhe copiam as atitudes, serão eles surpreendidos pelas entidades que escravizaram, a lhes reclamarem orientação e socorro, e, mui provavelmente, mais tarde, no grande porvir, quando responsáveis e vítimas estiverem reunidos no instituto da consangüinidade terrestre, na condição de pais e filhos, acertando contas e recompondo atitudes alcançarão pleno equilíbrio nos débitos em que se emaranharam.
Ante a nossa admiração silenciosa, o Assistente concluiu:
- Cada serviço nobre recebe o salário que lhe diz respeito e cada aventura menos digna tem o preço que lhe corresponde.
Logo após, Áulus concitou-nos a partir.
O ambiente não encorajava maior estudo e já havíamos assimilado a lição que ali poderíamos receber.

Livro: “Nos Domínios da Mediunidade” Psicografia: Francisco Candido Xavier. Pelo espírito: André Luiz.




Um comentário:

  1. ADOREI OS CONTOS DE SOBRE MARIA PADIHA E CORACORAL

    ResponderExcluir